domingo, 23 de fevereiro de 2014

Então coração, não me atrapalhes agora! - 2º Capítulo

Caraças!
 Tive uma semana tão cheia que mal tive tempo para respirar..
 Esta semana dediquei-me mais a mim do que propriamente à escola ou aos outros. Acho que precisava de tempo para mim. Já consegui subir algumas notas na escola e isso também me deixou mais alegre (apesar de eu querer muito muito melhor). Enfim, acho que até tive uma semana "normal". Sim. E com "normal" eu quero dizer: levantar-me de manhã a correr, vestir a primeira coisa que encontrar e sair de casa. Passar o dia fechada numa escola, chegar a casa ao fim do dia, jantar e não ter tempo para muito mais...

 Para melhorar os meus dias que têm sido fantásticos, parece que já não tenho a qualidade de conseguir mentir nos meus sentimentos. Nem sequer consigo olhar as pessoas nos olhos, sempre a melhorar. Nem a ele.
Fogo.
Parece que só faço porcaria. Não aguento os seus olhares, nem os seus sorrisos, nem quando se aproxima (demasiado). Garanto que vou começar a andar com uma pá atrás de mim, para me enterrar quando der jeito. -.-
A sério. O raio do meu coração está bem fechadinho. Mas, de vez em quando, mesmo que eu não queira, e acredita que eu não quero mesmo, a porra da fechadura insiste em querer abrir! Fico tão desesperada sem saber o que fazer que repito esta frase vezes sem quanta:

Porque o meu cérebro parece ser a uma coisa que funciona bem em mim. E é mesmo!
  Por favor, sempre fui boa em "não sentir", e agora, de repente, entra alguém na porcaria da minha vida e cria um "click" em mim. E aqui entre nós, eu acho piada. Quer dizer, deixa-me explicar bem: eu não estou minimamente interessada, claro que não! Mas acho piada. Acho graça ao "clima" (será que é só da minha cabeça?), a isto. Óh, lá sei. Então coração, imploro-te que não me atrapalhes agora!
 Não me deixes sentir. Não me deixes chorar mais. Não faças com que ele me faça sentir mais aquilo. Será que é preciso dizer pela milésima vez que eu não quero nada disto?! NÃO QUERO. NÃO QUERO. NÃO QUERO. NÃO QUERO.  NÃO QUERO. NÃO QUERO.  NÃO QUERO. NÃO QUERO.  NÃO QUERO. NÃO QUERO.  NÃO QUERO. NÃO QUERO.  NÃO QUERO. NÃO QUERO.  NÃO QUERO. NÃO QUERO.  NÃO QUERO. NÃO QUERO.  NÃO QUERO. NÃO QUERO.  NÃO QUERO. NÃO QUERO.  NÃO QUERO. NÃO QUERO.  NÃO QUERO. NÃO QUERO.  NÃO QUERO. NÃO QUERO. 
 Fazes-me sentir mal, coração. Estás a magoar-me. Outra vez. Lembraste como já me magoas-te à uns tempos a trás? Lembraste quantas noites inteiras já me fizeste chorar? Eu lembro-me. Eu posso ter esquecido a pessoa que me magoou, mas não esqueço a dor que ela me causou. Por tua culpa. Porque permitiste que ela entrasse e quebrasse o pouco que restava. Não quero isso outra vez. Não agora.
 Só preciso de alguém que cuide de mim.   
 Escrevo-te de novo, porque aqui é o único sítio em que eu me permito sentir.

2 comentários:

  1. oi
    vim agradecer por seguir meu blog, o trufas da Luh!!!
    Amei o seu e já estou seguindo tbm.
    caso interesse, tenho outro onde falo sobre maquiagens, comportamento e etc...
    caso se interesse é lucyannetudosobretudo.blogspot.com
    bjs
    luciane

    ResponderEliminar